Há exatos três anos, em outubro de 2012, a Samanaú Prata foi premiada como a terceira melhor cachaça do mundo (medalha de Bronze)  pelo New York International Spirits Competition (NYISC), a maior competição de destilados do globo. A competição é realizada anualmente e reúne o melhor da produção mundial de destilados.

A Cachaça Samanaú passou a ser produzida a partir de 2004 quando Vidalvo Dadá Costa aceitou o desafio e instalou um alambique artesanal no Sítio Samanaú, na  cidade de Caicó, no Sertão do Seridó, Rio Grande do Norte. Mas tudo começou mesmo lá atrás, em 1994 com a construção da Barragem Passagem das Traíras, perenizando o Rio Seridó, fundamental para o  incrementado do cultivo da cana de açúcar naquela região.

Segundo o fabricante, a cana dessa região é diferenciada por possuir um maior teor de sacarose, devido as 4000 horas de insolação por ano e a grande amplitude térmica entre dia e noite.

O alambique espera ainda a certificação de cachaça orgânica, por não utilizar de agrotóxicos e adubos químicos durante o plantio da cana.

Em maio de 2006, a revista Playboy elegeu a Samanaú como a 4ª melhor do Brasil.

Em 2008,foi fechado um contrato de exclusividade com o grupo Pão de Açúcar para venda da cachaça.

Em dezembro de 2009, foi firmada uma parceria com a casa de leilões Sotheby’s para distribuição da cachaça aos seus clientes nos 39 países onde possuem escritórios.

Produtos

  • Samanaú Prata – Tradicional.
  • Samanaú Envelhecida – Armazenada 3 anos em barris de carvalho.

Samanaú Ouro – Armazenada em barris de louro-canela.

Samanaú, segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo, origina-se de “camana-u”, que significa colina, elevação, daí Serra de Samanaú. A Serra de pedras listradas de preto, que hoje se chama São Bernardo, dá nome a cachaça genuinamente artesanal que passou a fazer parte da tradição e da cultura seridoense.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA CONFRARIA DA CACHAÇA DO BRASIL