É crença geral que o alcoolismo está vinculado a diversas doenças graves. Porém, pesquisas recentes têm comprovado que o consumo moderado de bebidas alcoólicas pode trazer benefícios para a saúde.

Segundo vários sites de instituições de renome internacional que consultei, o consumo de aproximadamente uma dose por dia, para a mulher, e duas doses, para o homem, pode reduzir as inflamações, diminuir os níveis de colesterol, diminuir a resistência à insulina e melhorar o funcionamento dos vasos sanguíneos.

Recente estudo feito pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, mostrou que as mulheres de meia idade que bebem com moderação têm mais chances que as abstêmias de permanecerem saudáveis na terceira idade. As probabilidades melhoram se o hábito for constante durante todos os dias da semana.

O estudo mostrou que as mulheres que bebem moderadamente têm menor chance de contrair doenças crônicas, deficiências físicas, problemas mentais e de sofrer declínio cognitivo. Para os homens o benefício é um menor risco de doenças cardíacas, diabete tipo 2, isquemia e demência.

Contudo, os especialistas aconselham as pessoas que bebem a tomar ácido fólico. O ácido fólico é a forma sintética do “folato”, um tipo de vitamina B, que ajuda a diminuir o risco de doenças cardíacas e câncer do cólon e do seio. O consumo de bebidas alcoólicas, mesmo em pequenas doses, causa a diminuição dos níveis de “folato” no organismo.

O site da “Medical Daily” aponta sete benefícios do consumo do álcool.

  • Redução do risco de doença cardiovascular;
  • Aumento da expectativa de vida;
  • Melhora da libido;
  • Prevenção de resfriados;
  • Redução das chances de desenvolver demência;
  • Redução dos riscos de pedras nos rins; e
  • Redução das chances de desenvolver diabetes.

Portanto, já se pode ter certeza de que as bebidas alcoólicas fazem bem à saúde. Mas, qual bebida é a melhor, cachaça, vinho ou a cerveja?

De acordo com os especialistas, os benefícios acima ocorrem com o uso de qualquer uma das bebidas alcoólicas, sejam elas destiladas ou fermentadas.

Aqueles que precisam reduzir a quantidade de calorias ingeridas devem preferir as bebidas destiladas.  Porém, à medida que as pesquisas avançam, os cientistas encontram outros efeitos positivos do consumo de vinho e cerveja que podem tornar a escolha mais difícil.

Recentes pesquisas feitas em universidades dos Estados Unidos e da Europa mostram que o “resveratrol”, uma substância encontrada na casca das uvas, pode inibir o crescimento do câncer do seio, prevenir doenças cardiovasculares e doenças metabólicas. Dentre as bebidas alcóolicas, apenas o vinho tinto contém “resveratrol”, devido ao processo de fabricação que usa a uva esmagada junto com a casca. Isso poderia fazer a balança pender para o lado do vinho tinto, cujo processo de fabricação permite que essa substância seja incorporada à bebida.

Entretanto, outras pesquisas indicam que a cerveja contém flavonoides antioxidantes que previnem a osteoporose. Além disso, as substâncias amargas do lúpulo, um dos componentes da receita da cerveja, também podem ajudar na prevenção do diabetes tipo 2 e da arteriosclerose.

Diante do estágio ainda inicial das pesquisas, seria leviano indicar uma das bebidas alcoólicas como a melhor para a saúde. Por analogia com o que acontece com os remédios, eu creio que a bebida deve ser escolhida de acordo com as condições de saúde de cada um. A única coisa certa é que beber com moderação faz bem à saúde. Poder afirmar isso com o respaldo dos cientistas é algo inestimável.